14/11/2019

Transparência participa de roda de conversa sobre tratamento das demandas de ouvidoria, no Iprev

Secretária da pasta e ouvidor-geral do Estado falaram sobre o assunto a servidores do órgão e esclareceram dúvidas

Na terça-feira (12), a Secretaria de Transparência e Controle (STC) participou de roda de conversa com o tema “Tratamento em Demandas de Ouvidoria”, organizada pela Ouvidoria do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado do Maranhão (Iprev). Diretores, coordenadores e assessores do Instituto estiveram reunidos para dialogar com a secretária de Estado de Transparência e Controle, Lílian Guimarães, e o ouvidor-geral do Estado, Rodrigo Machado, facilitadores da ação.

Na oportunidade, a secretária Lílian destacou ser importante agir com empatia no atendimento às manifestações de ouvidoria, colocando-se no lugar do outro. “A Ouvidoria é um canal de grande relevância e nós precisamos estar atentos a isso de uma forma mais carinhosa, porque nós também poderíamos estar do outro lado, nós também poderíamos ter a necessidade de obter alguma informação”, disse a gestora.

Secretária Lílian falou sobre a importância da empatia no tratamento das pessoas que demandam a Ouvidoria (Imagem: Ascom STC)

Segundo a ouvidora do Iprev, Ádemas Galvão, o objetivo da roda de conversa foi ampliar conhecimentos sobre a importância do tratamento adequado às demandas apresentadas pelos servidores e beneficiários dos serviços do Iprev/MA e demais cidadãos que buscam o canal da ouvidoria/Iprev como elo com a instituição.

“Queremos perceber novos olhares e ações em relação à importância da Ouvidoria, refletidos através do melhoramento no cumprimento dos prazos e coerência das respostas, fazendo uso de uma linguagem cidadã. Esperamos, ainda, a demonstração da satisfação por parte do cidadão pelos atendimentos e retorno das manifestações”, afirmou Ádemas.

Para o servidor Gideão de Sales, coordenador de Cadastro Previdenciário, o momento foi oportuno. “Foi bom, porque interagimos e ficamos por dentro de algumas exigências previstas em lei que eu, até então, pensei ser apenas decisão verbal. Soubemos da importância em responder com a maior urgência”, contou.